Posts tagged ‘casamento ‘




Quick news

Dia de vir para Ubatuba, tomar sol e eliminar o stress da vida moderna. Mas antes disso, um belo congestionamento na estrada para animar a festa…

E dia em que meus pais completaram 35 anos de casados. 🙂

Anúncios

Add a comment 29 de dezembro de 2008

Bragança, dia 3, dia D

Depois de mais de dois meses de preparativos, finalmente chegou o dia D para minha prima e para o noivo dela. E, como madrinha, foi dia de correria para mim.

Tive que pular cedo da cama e a ansiedade ajudou o sono a ir embora. Fomos buscar meu irmão, que veio sem dormir depois da balada, tomamos café da manhã em família e fui para o cabeleireiro. Dica para as bragantinas: querem um penteado bacana sem deixar muito dinheiro no caixa? Podem ir ao salão que fica em um prédio em frente ao fórum da cidade e pedir para serem atendidas pelo Eduardo. Ele é incrível. Muito simpático e ótimo profissional!

Almocei na casa da mãe da noiva e lá fui maquiada por uma profissional. Comentário do meu pai para mim: “Moça, eu vim buscar a Rô, você pode chamá-la para mim?”. Sim, nem eu mesma acreditei no tanto que o make-up ficou glam. Aí, foi só tomar um banho de contorcionista (para não molhar a cabeça ou o rosto), colocar o vestido e correr para o abraço, ou melhor, para a igreja.

Foi extremamente emocionante. Estávamos todos lindos e felizes, principalmente a noiva, é claro. E chegou a ser engraçado vê-la de braços estirados para mim, chorando de emoção na hora dos cumprimentos. Minha boneca, a prima com quem sempre dividi tudo, agora é uma mulher casada. Feliz também por ter o noivo oficialmente na família. Depois de nove anos, tava mais do que na hora.

A festa foi divertida como poucas na vida! Os noivos demoraram a chegar ao local e foram precedidos de um vídeo em que fotos e imagens do próprio dia do casório contava sua história de amor e como cada pessoa estava na vida deles. Nem eu sabia, mas tenho foto com o noivo! E com a noiva, óbvio! Eles entraram com direito a fogos brilhantes e discurso da noiva, para agradecer a presença de todos. Mais tarde, ela voltou ao microfone para agradecer o amor dos pais e do irmão. Borrei minha maquiagem inteira de novo…

Dancei pencas e, no momento mico da noite, dancei “Sandra Rosa Madalena” com um amigo do meu tio e surpreendi a todos, até a mim mesma, com a palhaçada que fiz!

O que mais ouvi foram elogios. E gente me dizendo o quanto estava parecida com a Marilyn Monroe. Ahã. Depois da pneumonia tripla, só se for!

Foi ótimo. Só posso desejar muitas felicidades aos noivos!

Add a comment 24 de maio de 2008

Bragança, dia 2

Apesar de muita alergia pelo pó do quarto mal limpo, o dia foi bacana.

Durante o dia, fomos a Monte Sião (MG), Águas de Lindóia (SP) e Serra Negra (SP), passear. As três cidades têm fama por venderem malhas e roupas de inverno por preços apetitosos. Mas tudo o que comprei foram dois pares de luvas de meio-dedo. Meu pai até estava empolgadinho para fazer compras (milagre!), porém, mommy e eu não gostamos nada do que vimos. Ok, realmente existem blusas vendidas a R$ 10 no lugar. O que ninguém conta é que a lã é de péssima qualidade, daquela que enche de bolinha e esgarça na primeira lavada. Quer dizer, blusas descartáveis. E o que é bom, custa tão caro quanto custa em São Paulo. Serviu para aproveitar o sol e andar…

Em Serra Negra, almoçamos na lanchonete Famiglia Gianotti, em uma pracinha simpática. Panquecas ótimas e baratinhas (R$ 7). A conta toda deu R$ 31, uma pechincha. Fica a dica!

À noite, depois de tirarmos um cochilo cheio de espirros no raio da pousada, fomos jantar com a família da noiva, os tios dela, meu par e os pais dele no Play Off, complexo de quadras para alugar com pizzaria do meu tio. O noivo é o responsável pelo preparo das pizzas, inclusive da massa. Treinado no Bruno, em São Paulo, meu afilhado faz a iguaria divinamente. Se estiver em Bragança, não perca!

Foi bom também para conversar com a dona noiva e saber como ela estava um dia antes do grande dia. Que é amanhã!

Add a comment 23 de maio de 2008

Bragança, dia 1

Depois de ir fazer a unha de madrugada (acordei 7h30 da manhã para isso!), fui fazer as malas e rumamos para Bragança, onde sábado acontecerá o tão falado casamento de minha prima, em que serei madrinha da noiva.

Chegamos por volta de meio-dia e meia à pousada e – surpresa desagradável 1 – o chalé que reservamos como tendo dois dormitórios só tinha um de fato. O outro eram três beliches na sala. Obviamente, fui à administração putíssima, reclamar que se aquilo eram dois quartos, eu era a Rainha da Inglaterra. Eis que o menino que cuida do lugar me dá a segunda surpresa desagradável: além de não termos dois quartos, ainda teremos que dividir o chalé com a família de uma prima que mora em Curitiba no sábado. Sim, seremos oito pessoas para dividir um banheiro! E quem resolveu isso, sem comunicar a ninguém, foi a mãe da noiva! Legal, né? ¬¬

Almoçamos no restaurante em que será a festa do casório e, à noite, comemos na lanchonete do pai do noivo.

Meu par no altar também já chegou e teve as mesmas surpresas desagradáveis. Só não foi embora para não deixar a amiga na mão…

Fora o incoveniente de terem mentido ao dizer que existiam chalés de dois quarto e de termos que dividir nosso chalé com outra família a nossa revelia, a tal Fazenda do Sol é uma lástima também em atendimento. Os colchões são horrorosos, não havia lençol na maioria das camas, toalhas nem em sonho e nada de frigobar. Não recomendo de jeito nenhum!

Add a comment 22 de maio de 2008

Falência

Foi um dia de sair de casa na marra, como aconteceu durante todo o final de semana. Ontem eu nem falei, mas foi aniversário de minha melhor amiga, minha irmã. Fiquei tão triste que nem comentei, totally my fault. Enfim, hoje fui almoçar com meus pais no shopping e comprar alguma coisa para a moça. (Apreveitei e fiz comprinhas para mim também, mas nem isso me animou).

Fui para a casa dela e ficamos conversando durante um tempo. À luz do sol, os problemas parecem bem menores. Aliás, o meu maior problema agora é complicado, mas nada que me afete tanto quanto o de sexta. Descobri, ao conversar com a N. que estou praticamente falida, tudo por conta de um único evento: o casamento de minha prima, minha primeira afilhada oficial.

Vestido: R$ 183 / mês (quatro meses)
Sapato: R$ 53,30/ mês (três meses)
Meia-calça: R$ 18,90
Presente: R$ 40,81/ mês (12 meses!)

Só aí, já temos quase R$ 300, fora o que ainda falta, como quarto para ficar em Bragança, cabelo, maquiagem e um bendito brinco que preciso comprar. Sem falar nas outras contas que tenho normalmente, tipo MBA, cama, câmera digital, cartão de crédito, celular…

Para desanuviar um pouco, sábia decisão: ir tomar uma cerveja no Frangó. Pelo menos com cerveja, o bolso fica anestesiado…

Add a comment 27 de abril de 2008

Faça a festa!

Dica para as meninas que lêem este blog: http://www.feiradovestidodefesta.com.br.

Como alguns já devem saber, serei madrinha de casamento em maio e, claro, precisava de um longo no estilo arrasa-quarteirão, para não fazer feio. Só que o dindim anda curto e o sindicato, simpático, fez a coisa ficar pior ainda. Aí, pesquisando na internet, encontrei esta loja no Bom Retiro e fui conferir. Incrível!

Ok, o vestido que comprei não foi o mais barato. Paguei R$ 439 em um vestido de cetim berinjela grosso com detalhe em strass debaixo do busto, que tem bojo (não ter peito sempre complica um pouco as coisas…). E mais R$ 139 por uma estola de pele sintética (e PETA sai de mim!). Se fosse comprar em um shopping ou em uma loja em outro lugar da cidade, pagaria, no mínimo, uns R$ 700 reais só no vestido. Foi quase o que paguei em tudo, pois ainda comprei um outro vestido tomara-que-caia lilás, fabuloso por R$ 189, que mal pagam o tecido.

O atendimento é ótimo, personalizado. Nada da mesma vendedora atender cinco clientes de uma vez. Elas andam a loja inteira com você, arara por arara (e, olha, o lugar é gigante!), vão ao provador, ajudam a experimentar, são sinceras sobre como ficou e super atenciosas.

O único problema é que, se for de sábado e chegar depois das 10h da manhã, prepare-se para uma fila de no mínimo, 50 minutos para poder entrar na loja (só se entra com a vendedora junto, só ela pode tirar o vestido da arara). Então, é melhor chegar cedo ou deixar para ir durante a semana ou no domingo, quando as coisas são mais calmas. Se resolver encarar, banquinhos aliviam um pouco o sofrimento.

Ah, mais um detalhe. Depois que você decide levar algum vestido, a vendedora o manda para a revisão no andar de cima da loja, enquanto você paga. Isso para que a peça não tenha nenhum defeito: eles analisam acabamento, zíperes, bordados, vêem se tem algum fio puxado, essas coisas. Com isso, durante aproximadamente meia hora, é preciso esperar a peça voltar para poder ir embora. Mas, ao menos, é certeza de que tudo estará perfeito quando for usar.

Formas de pagamento? À vista no cheque ou em dinheiro, com 10% de desconto. Em quatro vezes no cheque, com 5% de desconto. Ou em 2 vezes no cartão de crédito.

Recomendadíssima!

1 comentário 5 de abril de 2008

Páginas

Categorias

Links

Meta

Agenda

setembro 2017
D S T Q Q S S
« dez    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Posts by Month

Posts by Category